Saúde / Mundo 13 de abril de 2021 13h14

Vacina contra câncer cerebral tem sucesso histórico em testes humanos

Foto: reprodução EuropeanScientist
Foto: reprodução EuropeanScientist

Um vacina contra o câncer cerebral, com o 1º teste em humanos, teve sucesso. O estudo foi publicado pela revista científica Nature.

Após resultados promissores, os pesquisadores irão para fase 2 de testes da imunoterpaia para ajudar o sistema imunológico a matar tumores cerebrais.

De acordo com o artigo da Nature, a vacina é segura para todos os pacientes e mostra a esperada resposta imune ao tecido canceroso.

Os gliomas difusos são geralmente tumores cerebrais incuráveis ​​que se espalham no cérebro e são difíceis de remover completamente por cirurgia. A quimioterapia e a radioterapia também costumam ter um efeito limitado.

“Nossa ideia era apoiar o sistema imunológico dos pacientes e usar uma vacina como uma forma direcionada de alertá-lo para o neoepítopo específico do tumor”, explicou o diretor do estudo Michael Platten, Diretor Médico do Departamento de Neurologia da University Medicine Mannheim e Chefe de Divisão do Centro Alemão de Pesquisa do Câncer (DKFZ).

A mutação IDH1 é uma candidata particularmente adequada aqui, pois é altamente específica para os gliomas e não ocorre em tecido saudável. Além disso, a mutação IDH1 é responsável pelo desenvolvimento desses gliomas: “Isso significa que uma vacina contra a proteína mutada nos permite atacar o problema na raiz”, acrescentou Platten.

Testes

Um total de 33 pacientes em vários centros diferentes na Alemanha foram incluídos no estudo. Além do tratamento padrão, eles receberam a vacina peptídica produzida pelo Hospital Universitário de Heidelberg e pela Universidade de Tübingen. A resposta imune pôde ser avaliada em 30 pacientes, de acordo com o estudo publicado na Nature .

Os médicos não observaram efeitos colaterais graves em nenhum dos pacientes vacinados. Em 93 por cento dos pacientes, o sistema imunológico mostrou uma resposta específica ao peptídeo da vacina e o fez independentemente da base genética do paciente, que determina as moléculas de apresentação importantes do sistema imunológico, as proteínas HLA.

Em grande parte dos pacientes vacinados, os médicos observaram “pseudoprogressão”, inchaço do tumor causado por uma série de células invasoras do sistema imunológico.

Esses pacientes tinham um número particularmente grande de células T auxiliares em seu sangue com receptores imunológicos que responderam especificamente ao peptídeo da vacina, como revelou o sequenciamento de uma única célula.

“Também pudemos demonstrar que as células imunes específicas da mutação ativadas invadiram o tecido tumoral cerebral”, relatou Theresa Bunse, do DKFZ, que coordenou as análises imunológicas para esses estudos.

Sobrevivência alta

A taxa de sobrevivência de três anos após o tratamento foi de 84 por cento nos pacientes totalmente vacinados, e em 63 por cento dos pacientes o crescimento do tumor não havia progredido dentro deste período.

Entre os pacientes cujo sistema imunológico mostrou uma resposta específica às vacinas, um total de 82 por cento não teve progressão do tumor no período de três anos.

Os pesquisadores também estão preparando um estudo de fase II para examinar pela primeira vez se a vacina IDH1 leva a melhores resultados de tratamento do que o tratamento padrão sozinho.

Uma pesquisa muito importante para a medicina está em andamento na USP, mas precisa de apoio. Cientistas da universidade descobriram que o zika vírus é capaz de curar tumores cerebrais em crianças. Conheça essa história e apoie o projeto no Só Vaquinha Boa!

Com informações: Só Notícia Boa.

COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários enviados através do formulário são de inteira responsabilidade do autor. O site MarechalOnline.net se reserva no direito de coletar e armazenar informações do autor, tais como: email, macaddress e ip, para possíveis ações de responsabilidade penal - caso necessário. O site MarechalOnline.net se reserva ainda no direito de não publicar comentários com conteúdo inapropriado para o espaço. Os comentários não são editados, e quando publicados vão ao ar da forma original como foram redigidos pelo autor. Ao utilizar este recurso o autor automaticamente concorda com os termos de uso especificados acima.