Cotidiano / Brasil 14 de outubro de 2021 14h39

Pesquisadores desenvolvem antibiótico que combina nanoprata e óleo de copaíba

Combinação foi patenteada e a produção em forma de hidrogel para uso tópico está em fase de estudos...

Foto: UEL
Foto: UEL

Pesquisadores dos Laboratórios de Biologia Molecular de Microrganismos e de Bacteriologia Básica e Aplicada da UEL (Centro de Ciências Biológicas) estão desenvolvendo um composto antibiótico que combina duas substâncias conhecidas por esta propriedade: a nanoprata e o óleo essencial de copaíba, uma árvore da Amazônia também conhecida como "antibiótico da mata".

A combinação desses dois produtos foi patenteada este ano e a produção em forma de hidrogel para uso tópico está em fase de estudos em laboratório, ou seja, ainda não passou por testes com seres humanos.

Realizada em conjunto com outras três instituições - as universidades estaduais de Maringá (UEM), de Campinas (Unicamp) e Federal do Amazonas (Ufam) - a pesquisa começou em Londrina, em 2014, com uma tese de Doutorado, orientada pela professora Sueli Fumie Yamada Ogatta (Departamento de Microbiologia/CCB). Já na época o fruto da pesquisa rendeu o depósito de uma patente.

Professores da UEL participantes do projeto já compartilhavam saberes com pesquisadores da UEM chefiados pelo professor Celso Vataru Nakamura (Departamento de Ciências Básicas da Saúde). Da Ufam vinha o óleo de copaíba, como parceria com o professor Valdir Florêncio da Veiga Jr.. Mais tarde, entrou a Unicamp, em parceria com o professor Nelson Durán, com a nanoprata biogênica, que utiliza extratos naturais para a sua obtenção.

Também em 2014, explica a professora Sueli, o Laboratório da UEL conseguiu recursos para pesquisa de diagnóstico e controle da colonização por Streptococcus agalactiae, uma bactéria comum, parte da microbiota do organismo humano, mas que pode causar doenças. Ela pode colonizar a gestante e ser transmitida ao bebê na hora do parto.

A pesquisadora conta que é rotina, em torno da 37ᵃ semana de gestação, realizar testes para detecção da bactéria. Se houver colonização, normalmente no canal vaginal, é preciso tratar com antibióticos, o que pode trazer indesejados efeitos colaterais.

Esta é uma das vantagens do produto desenvolvido pelas universidades: ele não ter tais efeitos. A professora Sueli enfatiza que um dos objetivos das pesquisas dos laboratórios envolvidos é exatamente reduzir a toxicidade das substâncias e, por extensão, não contaminar o meio ambiente.

Embora as propriedades terapêuticas da prata sejam conhecidas desde Hipócrates (quarto século antes de Cristo), ela também pode ser tóxica. Porém, é justamente o uso da nanotecnologia - conhecimento e técnica para manipular substâncias em escala nanométrica - que permite empregar o metal, associado a um remédio natural, e potencializar o efeito bactericida com menos risco de intoxicação.

Com informações: AEN-PR.

COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários enviados através do formulário são de inteira responsabilidade do autor. O site MarechalOnline.net se reserva no direito de coletar e armazenar informações do autor, tais como: email, macaddress e ip, para possíveis ações de responsabilidade penal - caso necessário. O site MarechalOnline.net se reserva ainda no direito de não publicar comentários com conteúdo inapropriado para o espaço. Os comentários não são editados, e quando publicados vão ao ar da forma original como foram redigidos pelo autor. Ao utilizar este recurso o autor automaticamente concorda com os termos de uso especificados acima.