Política / Santa Helena 07 de abril de 2021 08h33

Ministério Público e Polícia Civil deflagram operação contra fraudes de mais de R$ 6 milhões em licitações em Santa Helena

As investigações, conduzidas pela Divisão Estadual de Combate à Corrupção da PCPR...

A Polícia Civil do Estado do Paraná (PCPR) e o Ministério Público do Paraná (MPPR) estão nas ruas, desde as primeiras horas desta quarta-feira (7), para cumprir 21 mandados de busca e apreensão em endereços relacionados a suspeitos de fraude a licitações, em Santa Helena, no Oeste do Estado.

O prejuízo aos cofres públicos é superior a R$ 6 milhões. As ordens judiciais estão sendo cumpridas naquele município e em São Miguel do Iguaçu, na mesma região.

As investigações, conduzidas pela Divisão Estadual de Combate à Corrupção da PCPR, tiveram início em agosto de 2020, após um pedido do Núcleo de Foz do Iguaçu do Grupo Especial na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa do MPPR, que noticiava supostos crimes de fraude a licitações praticados por um ex-secretário do Município de Santa Helena e seus familiares. Eles estariam usando empresas fantasmas para burlar o processo licitatório e usar o dinheiro público para benefício próprio.

De acordo com as investigações, além do favorecimento, houve superfaturamento dos valores pagos, assim como produtos que não teriam sido entregues na quantidade devida ou que foram desviados para a organização ou fins políticos.

Também, integraria o mesmo grupo criminoso um empresário de São Miguel do Iguaçu, no Oeste do Estado, que é suspeito de envolvimento em fraudes a licitações ocorridas em outros municípios da região.

COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários enviados através do formulário são de inteira responsabilidade do autor. O site MarechalOnline.net se reserva no direito de coletar e armazenar informações do autor, tais como: email, macaddress e ip, para possíveis ações de responsabilidade penal - caso necessário. O site MarechalOnline.net se reserva ainda no direito de não publicar comentários com conteúdo inapropriado para o espaço. Os comentários não são editados, e quando publicados vão ao ar da forma original como foram redigidos pelo autor. Ao utilizar este recurso o autor automaticamente concorda com os termos de uso especificados acima.