Mundo / EUA 03 de outubro de 2018 14h38

Tribunal da ONU pede que EUA paralisem parte das sanções contra o Irã

O Irã baseou sua denúncia no Tratado de Amizade, Relações Econômicas e Direitas...

Donald Trump definiu sanções unilaterais ao Irã, após romper o acordo firmado por seu antecessor, Barack Obama   (JIM LO SCALZO/EFE/Direitos Reservados)
Donald Trump definiu sanções unilaterais ao Irã, após romper o acordo firmado por seu antecessor, Barack Obama (JIM LO SCALZO/EFE/Direitos Reservados)

A Corte Internacional de Justiça (CIJ) concedeu hoje (3) razão parcial ao Irã e ordenou que os Estados Unidos paralisem parte das sanções contra Teerã, restabelecidas por Washington quando decidiu se retirar do acordo nuclear multilateral assinado em 2015.

O Irã baseou sua denúncia no Tratado de Amizade, Relações Econômicas e Direitas Consulares assinado com os EUA em 1955, quando os dois países ainda mantinham boas relações.A CIJ concluiu, por unanimidade, que "a aquisição de equipamentos médicos, remédios e bens relacionados com a segurança da população civil" por parte do Irã é um direito que poderia ser coberto por esse tratado, disse o juiz presidente do tribunal, Abdulqawi Ahmed Yusuf.

Sanções

Em agosto, o governo do presidente Donald Trump definiu sanções unilaterais ao Irã, após romper o acordo firmado por seu antecessor, Barack Obama.

Pelas sanções, o Irã está proibido de comprar dólares e metais preciosos, levando o país a ser alijado do sistema financeiro internacional. As importações de tapetes e alimentos produzidos no Irã também estão proibidas, assim como os negócios com aço, carvão e alumínio foram suspensos.

Com informações: Agência EFE / Agência Brasil.

COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários enviados através do formulário são de inteira responsabilidade do autor. O site MarechalOnline.net se reserva no direito de coletar e armazenar informações do autor, tais como: email, macaddress e ip, para possíveis ações de responsabilidade penal - caso necessário. O site MarechalOnline.net se reserva ainda no direito de não publicar comentários com conteúdo inapropriado para o espaço. Os comentários não são editados, e quando publicados vão ao ar da forma original como foram redigidos pelo autor. Ao utilizar este recurso o autor automaticamente concorda com os termos de uso especificados acima.