Cotidiano / Brasil 20 de agosto de 2018 16h50

Presidente do TST libera leilão de subsidiárias da Eletrobras

A liminar (decisão provisória) do ministro é desta segunda-feira (20)...

O presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), ministro João Batista Brito Pereira, suspendeu uma liminar da Justiça do Trabalho do Rio contra a privatização de distribuidoras de energia da Eletrobras.

A liminar (decisão provisória) do ministro é desta segunda-feira (20).

O pedido para suspender a decisão do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) do Rio de Janeiro foi feito pela AGU (Advocacia-Geral da União).

A Eletrobras tenta vender seis subsidiárias em Rondônia, Roraima, Acre, Amazonas e Alagoas. A distribuidora do Piauí já foi leiloada, no dia 26 de julho.

Federações de trabalhadores da Eletrobras recorreram à Justiça do Trabalho contra a privatização.

A 49ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro -primeira instância- determinou a suspensão dos leilões e a realização de estudos, no prazo de 90 dias, sobre o impacto da venda das distribuidoras. A decisão foi mantida pelo Órgão Especial do TRT.

O presidente do TST, por sua vez, afirmou que não foi apresentado documento ou uma norma que obrigue a Eletrobras a elaborar um estudo de impacto.

"É certo que a legislação trabalhista prestigia a manutenção dos empregos e dos direitos conquistados pelos empregados, além de conter normas que os protegem das alterações nessa relação. Mas essas garantias asseguradas aos empregados devem ser invocadas no momento próprio e pelos meios adequados", escreveu Brito Pereira.

O ministro ainda trata da competência da Justiça do Trabalho no Rio de Janeiro para discutir o tema.

Segundo Brito Pereira, há controvérsia em relação à vara trabalhista que suspendeu o processo de privatização "porque nela não se discutem direitos de empregados que trabalham no Estado do Rio de Janeiro".

O ministro justifica a liminar em razão da "exiguidade do prazo para o encerramento do processo de alienação, bem como pela notória repercussão negativa que a insegurança jurídica gerada pela decisão impugnada causa ao processo de desestatização, seja em relação a eventuais interessados na aquisição das empresas, seja em relação ao valor a ser ofertado".

"Tem-se por presente o manifesto interesse público, bem como a iminência de grave lesão à ordem e à economia pública", escreve Brito Pereira.

Com informações: FOLHA PRESS.

COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários enviados através do formulário são de inteira responsabilidade do autor. O site MarechalOnline.net se reserva no direito de coletar e armazenar informações do autor, tais como: email, macaddress e ip, para possíveis ações de responsabilidade penal - caso necessário. O site MarechalOnline.net se reserva ainda no direito de não publicar comentários com conteúdo inapropriado para o espaço. Os comentários não são editados, e quando publicados vão ao ar da forma original como foram redigidos pelo autor. Ao utilizar este recurso o autor automaticamente concorda com os termos de uso especificados acima.