Religião / Mundo 04 de junho de 2018 09h50

Papa pede retomada do diálogo para cessar violência na Nicarágua

O papa pediu a retomada do diálogo, o respeito à liberdade e aos direitos dos cidadãos...

O Papa Francisco lamentou ontem (3) o agravamento dos casos de violência na Nicarágua. Desde meados do mês passado, manifestantes e policiais se enfrentam nas ruas das principais cidades do país. O papa pediu a retomada do diálogo, o respeito à liberdade e aos direitos dos cidadãos.

“Rezo pelas vítimas e familiares. A Igreja está sempre aberta ao diálogo. Isso requer um compromisso ativo à liberdade, mas primeiro à vida”, afirmou Francisco. “Rezo e insisto: o Papa quer que cesse a violência e sejam asseguradas as condições para o restabelecimento o quanto antes para a retomada do diálogo.”

O apelo foi feito feito durante a oração do Angelus na janela do Palácio Apostólico do Vaticano e acompanhada por fieis dos mais variados países na Praça de São Pedro.

A busca pelo diálogo é mediada pelos bispos da Igreja Católica da Nicarágua. Mas há dois dias, eles suspenderam as negociações, depois que 11 pessoas morreram após protestos intensos. Sábado (2) houve mais dois mortos, inclusive um norte-americano.

De acordo com a organização não governamental (ONG) Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (Cenidh), mais de 108 pessoas morreram e mil ficaram feridas nos episódios de violência registrados no país.Os manifestantes protestam contra a reforma da Previdência e o governo do presidente Daniel Ortega.

Segundo o Centro Nicaragüense de Direitos Humanos, os últimos 45 dias foram os “mais sangrentos” da história recente do país.

Com informações: Rádio Vaticano.

COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários enviados através do formulário são de inteira responsabilidade do autor. O site MarechalOnline.net se reserva no direito de coletar e armazenar informações do autor, tais como: email, macaddress e ip, para possíveis ações de responsabilidade penal - caso necessário. O site MarechalOnline.net se reserva ainda no direito de não publicar comentários com conteúdo inapropriado para o espaço. Os comentários não são editados, e quando publicados vão ao ar da forma original como foram redigidos pelo autor. Ao utilizar este recurso o autor automaticamente concorda com os termos de uso especificados acima.