Policial / Paraná 02 de novembro de 2018 10h50

Jogador encontrado morto foi espancado e torturado antes da execução

Principal acusado do crime, levou a polícia nesta quinta-feira ao local da morte...

O suspeito de matar o ex-jogador do Coritiba de 25 anos, no último fim de semana, levou a polícia nesta quinta-feira (1º) para um terreno onde o crime teria acontecido. 

Para o delegado Amadeu Trevisan, responsável pelo caso, o jovem foi torturado antes de morrer. Um homem de 38 anos, confessou o crime, mostrou o local do assassinado à polícia e onde a faca utilizada para matar ele foi jogada em um córrego, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. 

A esposa do suspeito foi presa na noite dessa quarta-feira (31) em um posto de combustíveis. Ela estava em trânsito. A filha do casal de 18 anos, foi presa junto com o pai na manhã desta quinta-feira, depois de se entregar na delegacia. Desde a noite do crime, a esposa não estava junto com o marido na mesma casa, segundo a defesa do casal.

Ex-jogador do Coritiba, foi encontrado morto no último sábado (27) num terreno baldio de São José dos Pinhais. Ele foi morto na manhã de sábado, depois de ter passada a noite de sexta em uma festa de aniversário de uma das detidas.

De acordo com o delegado Amadeu Trevisan, da Delegacia de São José, outras três pessoas estão envolvidas no crime. “Vamos encontrar todas elas, já temos as informações”, disse.

Uma testemunha que estava com o jogador momentos antes da morte teria relatado, segundo o advogado Jacob Filho, que o jovem foi espancado dentro da casa do principal suspeito do crime e que havia muito sangue no local. Segundo ele, o homicídio teria motivação passional, em razão de um relacionamento do atleta com a esposa do principal suspeito.

Essa mesma testemunha contou que o jovem e outras seis pessoas, incluindo ele, estavam em uma boate em Curitiba quando decidiram ir para a casa do suspeito do crime. Em meio à festa na residência, a esposa do suspeito teria gritado por "socorro". Foi quando ele viu o jogador sendo espancado por quatro pessoas e a sujeira de sangue no local.

Ainda segundo Jacob Filho, não é possível saber, ao menos por enquanto, tempo ele estava tendo um relacionamento amoroso com a esposa do suspeito, se houve uma tentativa de estupro, ou se ocorreu um mau entendido. O advogado Cláudio Dalledone Júnior, que defende o comerciante suspeito, alega que o jogador teria tentado violentar a mulher.

Ele também afirma que a esposa e a filha devem esclarecer como tudo aconteceu, sustentando ainda que “a vítima nunca teve um relacionamento com a esposa do suspeito”.

Para o delegado, ainda não há como indicar se houve tentativa de estupro. Tem mensagens trocadas e uma fotografia da mulher praticamente desacordada, dormindo profundamente", disse.

Investigações

A polícia já está com as imagens cedidas pela casa noturna onde todos os envolvidos estavam e trabalha com a hipótese de crime passional. Importante ressaltar que ainda não se sabe se o jogador tinha um caso com a mulher ou se ela foi estuprada por ele.

Mensagens de Whatsapp em um celular apreendido pela polícia mostram o jogador anunciando a um amigo que teria relações com uma mulher. Ele tirou uma selfie no quarto, em que aparece deitado ao lado da mulher que estava dormindo. Testemunhas disseram que ele estava alcoolizado.

Depois que o jovem foi espancado, o suspeito teria colocado ele no porta-malas do carro e levado para um terreno, onde ele teve o pênis cortado. A polícia ainda não esclareceu se outros suspeitos serão presos. 

Com informações: Bem Paraná .

COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários enviados através do formulário são de inteira responsabilidade do autor. O site MarechalOnline.net se reserva no direito de coletar e armazenar informações do autor, tais como: email, macaddress e ip, para possíveis ações de responsabilidade penal - caso necessário. O site MarechalOnline.net se reserva ainda no direito de não publicar comentários com conteúdo inapropriado para o espaço. Os comentários não são editados, e quando publicados vão ao ar da forma original como foram redigidos pelo autor. Ao utilizar este recurso o autor automaticamente concorda com os termos de uso especificados acima.