Saúde / Brasil 07 de junho de 2018 14h50

Febre do Nilo atinge cavalos e há risco de contaminação em humanos

Cavalos morreram com a doença que é transmitida pelo pernilongo...

O Espírito Santo registrou o primeiro caso de Febre do Nilo Ocidental em cavalos e, agora, está em estado de atenção para a possível contaminação de humanos. De acordo com o Núcleo Especial de Vigilância Epidemiológica, os cavalos foram contaminados em abril deste ano, no Norte do estado, e depois morreram vítimas da doença. Amostras coletadas dos cavalos foram analisadas pelo Instituto Evandro Chagas e pela Universidade Federal de Minas Gerais. O resultado foi positivo para Febre do Nilo Ocidental.

A Febre do Nilo Ocidental é uma doença causada por um vírus do gênero 'Flavivírus' e transmitida principalmente pela picada de mosquitos Culex, popularmente conhecido como pernilongo. É uma infecção viral que pode surgir sem sintomas ou com diferentes sintomas e graus de gravidade, que variam desde febre e dor muscular até encefalite grave. As formas graves ocorrem com maior frequência em idosos. Assim como dengue, zica e chikungunya, o vírus da Febre do Nilo Ocidental pode causar manifestações neurológicas como encefalite, meningite, síndrome de Guillan-Barré, entre outras.

A descoberta de que cavalos morreram contaminados no Espírito Santo motivou a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) a enviar uma 'nota técnica' aos profissionais de saúde de todo o estado com informações e procedimentos de vigilâncias em relação a doença.

"Mediante situação epidemiológica da doença, principalmente em locais em que há um aumento nos números de notificações sugestivos de arboviroses, solicitamos atenção aos profissionais de saúde, especialmente entre pacientes que desenvolvam quadros neurológicos virais ou bacterianos, tais como: encefalite, meningoencefalite, síndrome de Guillan-Barré, entre outros, que seja observado o diagnóstico diferencial com a infecção pelo VNO (Vírus do Nilo Ocidental)", diz um trecho da nota técnica da Sesa.

A nota técnica da Sesa inforna que nos anos 1990 pequenos surtos de Febre do Nilo Ocidental foram registrados nas Américas e epidemiais maiores foram registradas em países da África, Europa e em Israel. Entretanto, a partir de 1999, os Estados Unidos registraram milhares de casos. Depois, a doença foi detectada no Canadá e em países da América Central. Nos últimos 15 anos foram divulgadas evidências de circulação do vírus em alguns países da América do Sul.

No Brasil, a partir de 2003, o Ministéro da Saúde incluiu a Febre do Nilo Ocidental na Lista Nacional de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória. Em 2011, o vírus foi encontrado nas regiões amazônica e do Pantanal. De acordo com a nota técnica da Sesa, é possível que o vírus tenha sido introduzido no Brasil por aves silvestres migratórias provenientes do hemisfério norte ou de outros países da América do Sul. Em 2014, foi confirmada a presença do vírus em mosquitos do gênero Culex, em aves domésticas, em cavelos e no líquor humano no interior do Piauí.

Com informações: Gazeta Online.

COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários enviados através do formulário são de inteira responsabilidade do autor. O site MarechalOnline.net se reserva no direito de coletar e armazenar informações do autor, tais como: email, macaddress e ip, para possíveis ações de responsabilidade penal - caso necessário. O site MarechalOnline.net se reserva ainda no direito de não publicar comentários com conteúdo inapropriado para o espaço. Os comentários não são editados, e quando publicados vão ao ar da forma original como foram redigidos pelo autor. Ao utilizar este recurso o autor automaticamente concorda com os termos de uso especificados acima.